20 maneiras em que a vitamina C estimula o sistema imunitário.

  1. A vitamina C apoia a produção de interferões.

    Os interferões são produzidos quando a presença de patógenos é detectada. Facilitam a capacidade das células de lançar defesas celulares protectoras.
    _
    (Siegel, 1974; Siegel, 1975; Geber et al., 1975; Dahl and Degre, 1976; Stone, 1980; Karpinska et al., 1982).

  2. A vitamina C aumenta a função dos fagócitos.

    Os fagócitos são um tipo de glóbulo branco que envolve patógenos e outras partículas perigosas. Os invasores, uma vez capturados, são digeridos enzimaticamente.
    _
    (Nungester and Ames, 1948; Goetzl et al., 1974; Sandler et al., 1975; Boxer et al., 1976; Ganguly et al., 1976; Anderson and Dittrich, 1979; Anderson and Theron, 1979; Boxer et al., 1979; Anderson et al., 1980; Anderson et al., 1980a; Dallegri et al., 1980; Corberand et al., 1982; Patrone et al., 1982; CunninghamRundles, 1982; Oberritter et al., 1986; Levy and Schlaeffer, 1993; Levy et al., 1996; Ciocoiu et al., 1998; De la Fuente et al., 1998).

  3. A vitamina C encontra-se principalmente nos glóbulos brancos.

    Algumas das células primárias do sistema imunológico contêm níveis de vitamina C até 80 vezes mais elevados que os níveis encontrados no plasma.
    _
    (Glick and Hosoda, 1965; Thomas and Holt, 1978; Evans et al., 1982; Goldschmidt, 1991; Washko et al., 1993).

  4. A vitamina C apoia a resposta imune mediada por células.

    Existem duas maneiras principais do corpo responder a um patógeno: imunidade mediada por anticorpos e imunidade mediada por células. A resposta mediada por células refere-se à activação de macrófagos, células natural killer e linfócitos T específicos de antígeno que atacam qualquer coisa detectada como um agente externo.
    _
    (Siegel and Morton, 1979).

  5. A vitamina C aumenta a produção de citocinas das células brancas do sangue.

    As citocinas são proteínas de comunicação libertadas por certos glóbulos brancos que transmitem informações para outras células, promovendo a resposta imune.
    _
    (Jeng et al., .1996).

  6. A vitamina C inibe várias formas de morte dos linfócitos T.

    Os linfócitos T são um tipo de glóbulo branco. Eles são parte integrante do sistema de defesa imunológica mediada por células. A vitamina C ajuda a manter estas células importantes vivas e viáveis.
    _
    (Campbell et al., 1999).

  7. A vitamina C aumenta a produção de óxido nítrico pelos fagócitos.

    Os fagócitos, como dito no ponto 2, são glóbulos brancos que engolem microrganismos invasores. O óxido nítrico é produzido em grandes quantidades nestas células e é um dos agentes que matam os patógenos capturados.
    _
    (Mizutani et al., 1998; Mizutani and Tsukagoshi, 1999).

  8. A vitamina C aumenta a produção de linfócitos T.

    Como mencionado no ponto 6, estas células são essenciais para respostas imunes mediadas por células, e a vitamina C ajuda-as a multiplicarem-se em quantidade.
    _
    (Fraser et al., 1980; Kennes et al., 1983; Wu et al., 2000).

  9. A vitamina C aumenta a produção de linfócitos B.

    Estes glóbulos brancos produzem anticorpos como parte da resposta imune mediada por anticorpos. Os anticorpos são formados em reacção à introdução inicial de um patógeno ou antigénio invasor.
    _
    (Schwager and Schulze, 1997).

  10. A vitamina C inibe a produção de neuraminidase.

    Alguns vírus e bactérias patogénicos criam neuraminidase, uma enzima que os impede de serem aprisionados no muco, uma das linhas naturais de defesa do corpo. Ao inibir a neuraminidase, a vitamina C ajuda o organismo a optimizar esse mecanismo defensivo.
    _
    (Rotman, 1978).

  11. A vitamina C apoia a produção e actividade de anticorpos.

    Uma boa função dos anticorpos é importante para um sistema imunológico saudável.
    _
    (Ecker and Pillemer, 1940; Bourne, 1949; Prinz et al., 1977; Vallance, 1977; Sakamoto et al., 1980; Feigen et al., 1982; Li and Lovell, 1985; Wahli et al., 1986; Johnston et al., 1987; Haskell and Johnston, 1991; Wu et al., 2000).

  12. A vitamina C estimula atividade das células natural killer.

    As células assassinas naturais são pequenos linfócitos que podem atacar células diretamente, como as células tumorais, e matá-las.
    _
    (Heuser and Vojdani, 1997).

  13. A vitamina C promove a formação de prostaglandinas.

    As prostaglandinas são compostos semelhantes a hormonas que controlam uma variedade de processos fisiológicos, incluindo a regulação da função dos linfócitos T.
    _
    (Horrobin et al., 1979; Scott, 1982; Siegel and Morton, 1984).

  14. A vitamina C estimula os níveis de monofosfato cíclico de guanosina (GMP cíclico) nos linfócitos.

    O GMP cíclico desempenha um papel central na regulação de diferentes respostas fisiológicas, incluindo a modulação de respostas imunes. O GMP cíclico é importante para a reprodução e diferenciação celular normal (especialização para fins específicos). O GMP cíclico também controla a acção de muitas hormonas e parece mediar o relaxamento do músculo liso.
    _
    (Atkinson et al., 1979; Panush et al., 1982).

  15. A vitamina C estimula a geração localizada e/ou interacção com o peróxido de hidrogénio.

    A vitamina C e o peróxido de hidrogénio podem matar microorganismos e dissolver as cápsulas protectoras de algumas bactérias, como os pneumococos.
    _
    (Strangeways, 1937; Miller, 1969; Tappel, 1973; Kraut et al., 1980, Robertson et al., 1941).

  16. A vitamina C desintoxica a histamina.

    Este efeito da vitamina C é importante no suporte de factores imunológicos locais.
    _
    (Nandi et al., 1974; Johnston et’ al., 1992).

  17. A vitamina C neutraliza o stress oxidativo.

    _
    (Kastenbauer et al., 2002).

  18. A vitamina C melhora e aumenta a resposta imunológica potencialmente obtida pela vacinação.

    _
    (Versteeg, 1970; Banic, 1982; Wu et al., 2000).

  19. A vitamina C aumenta o efeito mucolítico.

    Esta propriedade ajuda a liquefazer secreções espessas, aumentando o acesso imunológico à infecção.
    _
    (Ericsson, 1954).

  20. A vitamina C pode tornar as membranas bacterianas mais permeáveis a alguns antibióticos.

    _
    (Rawal, 1978).

Start typing and press Enter to search